segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

RESENHA | Caixa de Pássaros, de Josh Malerman


Sinópse: Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. 
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.
Título Original: Bird Box
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Ano: 2015

  Decidi ler Caixa de Pássaros depois de tantos amigos meus lerem e falarem que o livro era incrível, que mexia com o leitor e tudo mais. Então, pensei, "não posso ficar sem ler esse livro". Sem falar que eu nunca tinha lido um livro de terror antes, então queria passar pela experiência e saber se, na literatura, as histórias causam o mesmo efeito do que no audiovisual. 

  Bom, o livro segue Malorie, uma mulher que vive sozinha em uma casa com os dois filhos de quatro anos. O mundo enlouqueceu, as pessoas começaram a se suicidar após verem algo na rua que acabam enlouquecendo-as, tudo virou um caos e ninguém confia mais em ninguém. A história é alternada entre presente e passado e isso contribui para que a história não fique entediante e também explica alguns fatos que acontecem no presente. 

  Depois de muitos anos vivendo sozinha, Malorie decide que é a hora de deixar a casa e ir com seus filhos buscar algum lugar seguro. Ela vai em direção ao rio e, com um barco, rema às cegas tendo como garantia apenas os ouvidos bem treinados dos filhos e a esperança de encontrar um local seguro. Em paralelo à isso, tem-se o passado sendo contado também, alternando entre um capítulo e outro. No passado mostra como Malorie chegou à casa, sobre as pessoas que moravam com ela e como faziam para sobreviver, temendo o lado de fora e se protegendo de criaturas desconhecidas apenas com vendas pretas nos olhos. 

  O autor explora de forma fascinante o medo em sua forma mais crua. No momento em que saem de casa, vendados, o leitor tem a mesma percepção dos personagens, por isso a leitura se torna cada vez mais tensa. Quando alguém sente a presença de algo que pode machucá-lo, você também sente medo e desespero. Eles não podem ver, você também não pode. Malerman mexe com o psicológico de seus leitores quando seus personagens estão no ápice do medo, tanto, que mesmo a curiosidade não consegue vencê-lo. Você não pode ver o que está prestes a te fazer mal, mas o instinto te diz para não abrir os olhos, mesmo que a coisa mais lógica a se fazer seja abrir os olhos e pensar num caminho para fugir ou em alguma forma de se defender. 

  Caixa de Pássaros é um thriler psicológico que não deixa o leitor parar de ler até o fim da história e, mesmo após o fim, não são capazes de parar de pensar na história. Houve uma sensação histérica em mim nas cenas em que Malorie e os filhos estavam no barco, era agoniante não poder enxergar, não poder saber o que estava amedrontando tanto essas pessoas. Senti medo, principalmente, na cena em que há algo atrás do barco e as crianças conseguem ouvi-lo nadar, mas ninguém poderia abrir os olhos ou tentar se defender, apenas continuar remando e encontrar um lugar seguro. Enfim, é uma ótima leitura, a história se torna mais tensa a cada momento e o autor soube o momento certo na hora de alternar a sequência cronológica dos fatos. É um livro para quem curte mistério e tensão e, principalmente, para quem curte livros que mexam com o psicológico. 

CUIDADO, SPOILERS A SEGUIR! 

  Bom, gostaria de falar um pouco sobre a minha teoria para o que são essas criaturas. Depois que eu terminei o livro fiquei desesperada por não saber do que se tratavam, então fui em busca de qualquer coisa na internet e achei uma entrevista onde o autor fala que sabe tanto quanto nós. Ele falou que houve inspiração num fato que aconteceu quando estava na escola, quando seu professor falou sobre o infinito e ele sentiu muito medo dele. Josh Malerman fala que no barco, Malorie e seus filhos estavam fugindo do infinito e da sua imensidão. Tentei pensar um pouco nisso e tentar encaixar com as criaturas, pois no livro há várias referências sobre o infinito, entretanto, não poderia ser o infinito porque ficou nítido que essas criaturas eram concretas. Seja o que for que enlouquece as pessoas a ponto de fazê-las de suicidarem, é algo vivo ou alguém.

  Bom, pessoal, é isso! Espero que tenham gostado da resenha e não esqueçam: NÃO ABRA OS OLHOS!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter