sábado, 9 de julho de 2016

5 motivos para ler Maze Runner


  Olá pessoal, vocês já ouviram falar de Maze Runner? Já falei brevemente sobre a saga no post 5 livros distópicos e agora venho falar um pouco mais. Maze Runner é uma história escrita por James Dashner que fala sobre vários meninos vivendo em um labirinto gigante, se você ainda não leu, está esperando o que? Os motivos? O Ashismos te dá cinco!

1 Uma história diferente
  Maze Runner é uma história diferente de qualquer livro que eu já tenha lido. Podem existir outras sobre labirintos, mas acredite, não existe uma que seja no mínimo parecida. Um dos motivos que me fizeram ler os livros foi exatamente por se tratar de algo novo. Uma história de um labirinto gigante e entre ele vários garotos vivendo em sociedade por anos tentando encontrar a saída, desperta a curiosidade de qualquer leitor. Creio que esse seja um fator muito importante e que instigou muitas pessoas a lerem.

2 Não tem romance
  Eu ouvi um "viva!"? Tudo bem, não é todo mundo que odeia romance, mas também não é todo mundo que gosta. Principalmente numa história onde tem mais ação, aventura e mistério, acho que a presença de um romance só desviaria a atenção de muitas pessoas para o que importa. Eu sempre vivo reclamando das histórias que têm romance desnecessário, se você tem uma puta história ela não vai atrair as pessoas pelo romance, tenha certeza. Aguardei muito por um livro assim para descobrir enfim como pode sim uma história funcionar sem a necessidade de duas pessoas se amando e esquecendo do mundo ao seu redor. Há aqueles que leram os livros e não conseguem lidar com o fato de a história não ter um romance, aí acabam tentando a todo custo interpretar de um jeito que pareça que o Thomas ficou com a Brenda no final, ou que Teresa é o amor da vida dele.

3 Bastante mistério
  Se eu fosse descrever Maze Runner em apenas uma palavra, "misterioso" seria o termo perfeito para o livro. Sempre que eu faço alguém ler os livros as pessoas me falam "estou no meio do livro e continuo não entendendo nada", é esse o sentimento de alguém que começou a ler Correr Ou Morrer e não faz ideia do quanto o James Dashner é maquiavélico, haha. Ele sabe exatamente como prender o leitor, fazendo-o ficar cada vez mais curioso para saber o que acontecerá no próximo capítulo, quais mistérios serão revelados... No fim dos livros você sempre descobre algo que nunca imaginaria nem em seus piores devaneios e para melhorar a situação, no final do livro você continua não entendendo nada e cada vez mais louco pelo próximo volume. Pode chamar de bug, tela azul ou como queira, mas é apenas James Dashner sendo um gênio e brincando com os sentimentos dos leitores!

4 É imprevisível 
  Toda história tem aquela cena que você sabe exatamente o que vai acontecer. Maze Runner não é assim. A cada momento você tem novas descobertas e sempre que você espera que algo aconteça de um jeito, acontece de outra forma totalmente inesperada, que pode ou não agradar o leitor.

5 O autor não tem medo de matar
  Meio que se tornou um viral essas histórias que não poupam nem o personagem principal. James Dashner foi tão cruel a ponto de matar o meu personagem favorito, que até considero como um dos principais, mas essa morte não deu a entender que o autor mata porque gosta e sim para a história ficar mais realista, afinal, não é muito interessante você ler, por exemplo, sobre uma guerra onde no final todo mundo está vivo e o herói é invencível. James Dashner também é cruel a ponto de não poupar um personagem nem na última cena, só para te deixar totalmente desestruturado após o término do livro.

Final em aberto
  Tudo bem, eu sou uma mentirosa, mas não me matem, o sexto motivo é, talvez, o melhor de todos os motivos acima. Tem gente que odeia história com o final em aberto, mas será que elas já pararam para pensar se o autor não quis que o leitor deixasse sua imaginação vagar e tentar encontrar um fim mais agradável para a sua mente?! Eu penso assim. Ao terminar de ler A Cura Mortal eu estava ainda mais confusa do que quando comecei a ler Correr Ou Morrer, mas no fundo eu adorei imaginar o melhor final para uma história que eu tanto amo. Além disso, não é como se você ficasse desamparado, porque ainda existem livros para explicar alguns pontos em aberto. Ordem de Extermínio, por exemplo, conta uma história de antes da Clareira, com outros personagens, outro enredo, mas que se encaixa perfeitamente nos livros anteriores por responder as questões que pareciam esquecidas nos livros. Maze Runner: Arquivos é outro livro que serve para não deixar o leitor desamparado, ele contém os arquivos perdidos da Cruel, então você vai ter suas respostas de qualquer jeito, vai saber sobre os personagens e tirar suas dúvidas mais terríveis, não todas, obviamente, pois um final em aberto serve para fazer o leitor imaginar e não para lançar mil livros de apêndice para explicar o final só porque ninguém entendeu.

  That's all folks. Para melhorar, fiquem com a sinopse do primeiro livro e corra logo para comprar o seu. Mas corra, corra muito!


Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.

Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.
Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito.

   O que achou desse post? Não esqueça de deixar um comentário, a sua opinião é muito importante para o nosso blog. Agradecemos a sua visita e esperamos que volte mais vezes para, quem sabe, tomar um chá e falar de alguns livros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter