quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

ASHISMOS TV | Os melhores do meu ano


Olá, amizades! Finalmente chegamos ao final de 2016 e o post de hoje é justamente para falar sobre as melhores coisas que consumi de entretenimento durante o ano. 

Nessa época de final de ano sempre rola uns posts de retrospectiva, não é? Mas não se preocupem, aqui no Ashismos é um pouco diferente. Ao invés de eu falar o que aconteceu ou deixou de acontecer, estarei indicando essas coisas legais que conheci no ano e acabei curtindo bastante. Sou uma grande consumidora de literatura, séries de TV, cinema e, principalmente, música, então as indicações são sobre isso e prometo que são muito boas. 


Literatura

Reprodução/Poltrona Nerd

Começo com a primeira confissão: fui uma péssima leitora em 2016. Eu sempre fui do tipo que lia, no mínimo, uns três livros durante o mês. Mas essa realidade é de aluno do ensino médio, pois quando eu entrei na faculdade, a cada semestre a minha lista de livros lidos diminuía, dando espaço aos montões de textos e artigos do curso. Até que, esse ano, se eu li cinco livros foi muito. E isso é lamentável! 

Porém eu tenho sim uma indicação literária que eu conheci no início do ano: Caixa de Pássaros, de Josh Malerman. O principal motivo que me fez gostar tanto do livro foi o fato de eu nunca ter lido nada de terror psicológico. Minhas leituras possuem gêneros muitíssimos variados, porém nunca encontrei um título de terror que tivesse despertado meu interesse. 

Me surpreendi dos pés à cabeça. É o tipo de livro que nunca te deixa em paz até você terminá-lo e, ainda assim, te deixa pensando durante dias sobre o final que teve. Ele arrepia todos os sentidos do leitor, principalmente por ser um narrador introduzido na história. A obra fala de um mundo pós-apocalíptico onde as pessoas veem algo que as faz enlouquecerem e acabarem se suicidando, por isso os sobreviventes desta epidemia foram obrigados a vendar os olhos com uma faixa preta e passarem a viver assim, sem saber o que estava ao seu redor e sem saber o que poderá machucá-los. Assim, a descrição do autor é tão maravilhosa que o leitor fica igualmente apavorado, porque nem mesmo nós conseguimos saber o que está ameaçando-os. 

Cinema

Reprodução/AdoroCinema

Outra confissão vergonhosa: também fui poucas vezes ao cinema em 2016. Culpa também da faculdade. Mas calma lá! Esse foi o ano que os fãs de Harry Potter ficaram enlouquecidos com o lançamento da adaptação cinematográfica de Animais Fantásticos e Onde Habitam. Eu estava acompanhando todo o processo do filme, desde as informações divulgadas sobre a produção e bastidores, até a divulgação do filme em si. E acompanhar tudo isso me deixou bastante ansiosa, apesar de não ser tão fã de Harry Potter

O filme é incrível só por trazer o universo mágico criado por J.K. Rowling. É inegável que Harry Potter é apaixonante e arrastou várias gerações de fãs para os cinemas. Foi também a obra que incentivou os jovens à leitura e introduziu alguns no universo geek. 

O filme chega trazendo a proposta de mostrar uma história anterior à do bruxo mais famoso do mundo mágico. Contando sobre Newt Scamander, um famoso Magizoologista, autor do livro Animais Fantásticos e Onde Habitam. É um longa super bem produzido, com atores de peso, como o intérprete do protagonista Scamander, Eddie Redmayne. Os efeitos especiais são um beijo nos olhos de todas as pessoas que sempre torceram para Harry Potter estar no Oscar, neste caso, o filme é digno de uma indicação na categoria. Sem falar que a produção traz toda essa história, algo novo para os fãs, e ainda vem junto aquele sentimento bom de ter um gostinho a mais de uma saga que foi tão importante para gerações. 


Música

Reprodução/Indie Current

Se teve uma coisa que eu fui nota 10 em 2016, foi em ouvir muita música boa. Conheci vários artistas e bandas incríveis, mas nenhum me agradou tanto como a Jain

Conheci ela através de uma amiga e sua identidade já me chamou atenção pela qualidade do videoclipe da música Come. Um vídeo cheio de efeitos legais, com uma direção de arte arrasadora e a música, nem se fala. 

Já falei um pouco mais sobre a Jain aqui no Ashismos, confiram clicando aqui!

TV

Reprodução/Channel 4

Esse ano tiveram músicas séries legais sendo lançadas, como a brasileira 3% e a fofíssima Stranger Things. Não há dúvidas de que a Netflix abalou as estruturas de muitos fãs de séries que se banquetearam com as produções do serviço de stream. E o melhor de tudo é que eles estão crescendo cada vez mais e investindo para que a qualidade do serviço e de suas produções estejam sempre melhorando. 

Uma série que conheci no finalzinho deste ano foi Chewing Gum. Foi através da Nátaly Neri, do canal Afros e Afins, que acabei despertando um interesse maior pela série, que já tinha visto por aí no catálogo da Netflix mas nunca dei importância. Como estou sempre de olho no que a Nátaly posta, acabei me interessando e fui buscar ler um pouco sobre a série. Quando dei o play, foi aquela paixão a primeira vista. 

É uma sitcom exibida originalmente pelo canal britânico E4, porém esse ano começou a ser distribuída pela Netflix também. Gostei principalmente pelo fato de haver uma mulher negra como protagonista. Em segundo porque as piadas são muito engraçadas e com fortes críticas que consegue até mesmo serem sutis. A série toca em pontos importantes como o racismo, a desigualdade social e também outros tabus como a religião, fanatismo, BDSM, dependência química. Tudo de uma forma muito leve e bem humorada.

Fiz uma crítica de Chewing Gum aqui no Ashismos, clique aqui para ler!

Confiram abaixo a versão audiovisual do post no YouTube e não se esqueçam de inscrever-se no Ashismos TV para não perder os conteúdos sempre que são lançados. 



That's all!
Um grande beijo e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter