sexta-feira, 3 de março de 2017

CRÍTICA | Santa Clarita Diet



A Netflix, como sempre, arrasando em suas produções recentemente nos agraciou com o seriado Santa Clarita Diet. Uma comédia pra lá de peculiar e um 'quê' de trash que me conquistou logo no primeiro episódio. Não imaginei que iria maratonar a série assim tão fácil, pois tenho uma dificuldade maior em receber bem séries de comédia num geral. Entretanto, Santa Clarita Diet me surpreende por trazer um humor diferente mesclado a elementos chocantes e até nojentos. Faz você rir de algo genial, mas também faz rir pelo ridículo. 

Quando lançada, muito pouco foi falado sobre a série, apenas sabíamos que se tratava de uma série de zumbis. A trama é muito simples, sem muitas delongas e bem objetiva, dá para o público perceber logo no primeiro episódio do que se trata. Os plots são muito bem amarrados, cada cena traz algo relevante para a trama, sem espaço para enrolações. 

A série gira em torno dos Hammond, um casal corretor de imóveis que mora na cidade de Santa Clarita, em Los Angeles. Tudo muda quando Sheila, uma mulher tranquila, passa mal e morre. Sim. Achei ótimo a Netflix não ter feito nenhum mistério sobre isso, o início foi o momento certo de mostrar ao público, sem dar espaço para mistérios desnecessários. Após isso ela ressuscita e começa a ter comportamentos impulsivos. Joel tenta ao máximo adaptar a vida da família para as novas necessidades de Sheila sem que a filha adolescente do casal sofra muitos danos. A série pouco cita sobre zumbis, na verdade as características de Sheila são diferentes das histórias que conhecemos como The Walking Dead e afins. 

Foto: Reprodução/Netflix.


Santa Clarita Diet nos traz o grotesco e bizarro. A série é totalmente trash e mescla a comédia com dramas familiares bastante recorrentes, apenas com essa nova peculiaridade. Os atores principais tem uma dinâmica muito boa e atuam perfeitamente para os papéis, é quase como se eles estivessem 100% confortáveis em viver um casal totalmente fora do normal. 

A fotografia da série é muito agradável, juntamente com a direção de arte. Eles colocam propositalmente cenários claros e dias ensolarados, o que gera um contraste enorme com a temática zumbi. É uma forma de ironizar essa normalização e a banalização do gênero que tem muito a ser explorado. A forma como eles tentam se apresentar como uma família comum, igual às outras, é também um fator que gera contraste. 



Nota: 4/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter