terça-feira, 18 de abril de 2017

Quem disse que moda sem gênero precisa ser cinza?


Foto: Nicole Heiniger
Já está na hora de darmos um basta nesse conformismo com a moda sem gênero se restringindo apenas ao cinza ou preto e branco. Colocar em evidência que roupa não possui gênero já desconstrói essa ideia de que existe coisas "de homem" e "de mulher", mas os resquícios de construção social ainda permanecem nessa tentativa de libertação, pois ao mesmo tempo em que promovem a liberdade estética, limitam a moda sem gênero deixando-a restrita apenas a cores neutras

Claro que não é o caso de todas as marcas, temos algumas nacionais e internacionais que estão fazendo ótimos trabalhos com relação a isso, entretanto ainda é uma minoria. Grande parte dos editoriais que eu vejo - e que chega até pessoas "leigas" em questões de gênero - tratam a moda sem gênero como algo neutro e ainda pisando muito em ovos para acertar na aposta. É preciso trazer essas questões visando desconstruir o máximo de esteriótipos anexados ao gênero e se prender a cores é algo que ainda pesa muito. 

Por isso, trago algumas inspirações de looks criados com essa proposta e que trabalham muito bem com as cores. Confiram abaixo: 

Gucci

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Prada

Foto: Reprodução

Colcci

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

H&M's

Foto: Reprodução

Louis Vuitton

Foto: Reprodução

Mais: 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

É importante frisar que nada disso adianta se as marcas continuam separando cada peça por seções. Inclusive, o público é também quem faz a moda ser sem gênero. Roupas nunca tiveram gênero e agora estamos questionando isso. Um vestido é apenas um vestido e não precisamos pensar se isso é de homem ou de mulher, compramos apenas se achamos bonito.

Isso já é um avanço inegável, porém ainda há muita neutralidade nos lançamentos da maioria das marcas e, por isso, devemos estar sempre questionando essas decisões para que os trabalhos fujam o máximo de esteriótipos de gênero, fazendo o tiro sair pela culatra. É ótimo ver marcas lançando peças com cortes retos para adequar as formas corporais masculinas e femininas, mas devemos parar pra pensar também que ainda falta muita representatividade nesse meio, começando pelas pessoas gordas que ainda não se veem nessas marcas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter