terça-feira, 27 de junho de 2017

Musicalidade ancestral | Conheça a cantora britânica Laura Mvula

Foto: Reprodução/Rolling Stone


Laura Mvula é uma cantora e compositora de soul nascida em Birmingham. Ela lançou seu álbum de estreia em 2013, intitulado Sing to the Moon. Após o Sing to the Moon, a artista voltou a lançar outro álbum de estúdio em 2016, o The Dreaming Room

Criada nas periferias de Selly Park e Kings Heath, em Birmingham, Laura começou a cantar em 2005, com o grupo Black Voices, junto com a sua tia. Com influências da banda Eternal, ela também já integrou uma banda de jazz chamada Judyshouse. E, apesar de seu estilo musical ser o soul e R&B, sua musicalidade passeia bastante pelo pop funk e outros estilos semelhantes. Inclusive em algumas músicas pode ser facilmente comparada com uma Nina Simone contemporânea. 

Durante a sua carreira ela trabalhou com importantes artistas, como Steve Brown, que produziu seu primeiro disco, e Nile Rodgers, que já trabalhou com bandas como Daft Punk. Ao longo da carreira, Laura Mvula ficou mais reconhecida pelo single Green Garden, que compõe o seu primeiro disco. 

Foto: Reprodução/Evening Standart

Carregada de uma voz potente, as músicas da artista lembram muito as antigas músicas africanas e, segundo o MonkeyBuzz, até mesmo as trilhas de filmes hollywoodianos. E ainda, o que deve ser pontuado é que Laura Mvula traz consigo traços de nossa ancestralidade em seu trabalho e ao mesmo tempo mescla com o universo musical da contemporaneidade, trazendo um estilo único e belo. A cantora consegue soar impactante e ao mesmo tempo angelical. Seus álbuns são construídos de forma que cada música evolui gradativamente com relação à anterior. 

Em seu trabalho a mestiçagem é algo nítido. Laura traz em cada música uma característica única, que a obriga a adaptar sua voz às exigências de cada canção. E ela faz isso com maestria. Em termos de estética, a artista não deixa a desejar. Em seus videoclipes o uso de tons terrosos é quase predominante. O que traz novamente esse caráter de resgate ancestral muito presente em seu trabalho. Vale o destaque para o clipe de Overcome (com participação de Nile Rodgers) que possui uma estética cheia de glamour e traz junto vários bailarinos dançando em ritmos africanos

Foto: Reprodução/Superselected

Laura Mvula não peca em estética e muito menos em sonoridade. A artista põe em seu trabalho elementos nossos que devem ser conhecidos e admirados também. Nunca foi difícil para artistas negros mostrarem que têm talentos musicais, entretanto a indústria nem sempre é ao nosso favor e nem sempre dá aos artistas negros o destaque que merecem. Por isso, Laura Mvula merece ser conhecida e seu trabalho merece ser fortalecido e admirado. Tão poucos artistas possuem essa característica de cultuar a ancestralidade negra e é algo muito positivo para manter viva a nossa cultura. Então espalhem a música negra o máximo que puderem para que mais pretos e pretas possam ascender no universo musical e mostrar seu talento para o mundo.



Acompanhe o blog nas redes sociais: Twitter | Facebook | Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o blog


Conteúdo sobre questões raciais e de gênero de forma acessível e cor-de-rosa. O blog aborda assuntos como moda e estética negra como forma de expressão, além de questões ligadas ao movimento negro e feminista na contemporaneidade.

Newsletter