Biblioteca de roupas: uma iniciativa para apoiar o consumo consciente

Foto: LENA


A ideia de uma biblioteca de roupas parece vim do futuro ou de uma realidade fictícia, mas elas já existem e têm potencial para se espalhar pelo Brasil. Sabe aquela prática que temos de trocar peças com os amigos ou pegar emprestado? A ideia é exatamente essa e alguém viu aí uma oportunidade de crescer com isso! 

A primeira iniciativa foi da Kleinderei, que fica na Alemanha e foi lançada em 2012 por Pola Fendel e Thekla Wilkening. E em Amsterdã o conceito de “biblioteca fashion” foi criado pela loja LENA (The Fashion Library), que segue a mesma lógica das bibliotecas normais, como conhecemos: você aluga peças e depois devolve

Foto: BLIMO (Biblioteca de Moda)
Aqui no Brasil, a primeira biblioteca fashion foi aberta em 2015 em São Paulo, a House of Bubbles, hoje conhecida como Roupateca. Hoje já existem algumas outras no Brasil, mas muito concentradas em São Paulo. Uma delas é a BLIMO, que me deixou apaixonada pelo conceito e pela forma como eles trabalham. Eles mesmo se descrevem como uma “Netflix de roupas” e a pegada é essa mesmo: você paga uma assinatura mensal e ‘voilá!’, você pode ficar até 10 dias com as peças que escolheu ou pegar novas peças todos os dias. Genial, né? 

Cada biblioteca de roupas tem o seu próprio modelo de assinatura, algumas funcionam por pontos e outras por assinatura mesmo. Aderir a esta novidade tem vários benefícios, o principal deles é o consumo consciente. Só na Holanda, 240 milhões de quilos de roupa são jogados fora todos os anos, imagina somar isso com o resto do mundo?! No universo da moda existem muitas discussões sobre o consumo desenfreado e uma das alternativas para consumir moda de forma consciente são os nossos amados brechós, agora com a possibilidade de ter peças diferentes sempre que quisermos, fica mais interessante ainda se conscientizar sobre a questão do alto consumo de roupas

Algumas dessas bibliotecas possuem slogans que deixam os seus objetivos bem claros, como “Collect moments, not things” (Colecione momentos, não coisas) e “Fast fashion is like fast food” (Moda descartável é igual a fast food). É muito importante pararmos para pensar sobre isso, pois muitas vezes compramos roupas que nem usamos ou que se desgastam muito fácil. As bibliotecas de roupas são interessantes, pois há uma via de mão dupla: podemos consumir moda de forma mais sustentável e ainda ter possibilidades infinitas de combinações, sem precisar lotar o nossa armário ou comprar roupas que só irão ser usadas uma vez. 

As únicas bibliotecas de roupas que eu encontrei aqui no Brasil estão localizadas em São Paulo, mas já estou esperando essa iniciativa aqui em Salvador para poder aderir! 

Confiram abaixo algumas bibliotecas de roupa que encontrei no Brasil: 

BLIMO
Lucid Bag
Roupateca

0 comentários: